fbpx

Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar
Brinquedos inteligentes e seus riscos de segurança cibernética

Segurança da Informação

Brinquedos inteligentes e seus riscos de segurança cibernética

Jader Rodrigues
Escrito por Jader Rodrigues em 1 de julho de 2021
Junte-se a mais de 10.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O cenário de um pesadelo com brinquedos fora do controle já foi retratado em diversos  filmes de ficção científica. A evolução tecnológica que a atualidade proporciona faz com que helicópteros de brinquedo de fato levantem voo ou uma boneca realmente interaja com sua filha. Mas será que toda essa experiência não pode se tornar um conflito na vida real? 

A Internet das Coisas (IoT) entrou em nossas vidas e funciona quase que perfeitamente. Considerada para uso na medicina e na indústria, os dispositivos IoT de consumidor (C-IoT) capturaram a imaginação do público. De smartphones a controles de aquecimento, a IoT permeia silenciosamente nossas vidas. Sensores conectam tudo em um ecossistema de IoT, que usa os dados que geramos para fazer a roda da conectividade girar. As previsões sobre o número de dispositivos IoT conectados variam de 28 bilhões a mais de 50 bilhões até o final de 2021, cada um deles coletando e analisando dados confidenciais.

Um dos problemas é que especialmente para o trabalho remoto, que virou uma grande realidade durante a pandemia do corona-vírus, esses dispositivos podem vazar de casa para o escritório. Segundo um estudo, 41% dos dispositivos IoT usados ​​para uso corporativo fora do escritório não eram protegidos por SSL.

Uma área do IoT que visa o conceito “um lar em nossas casas” é o brinquedo inteligente que vem com proposta de oferecer mais diversão à rotina das crianças. E essa integração parece destinada a continuar em expansão, já que é um mercado estimado em mais de US $ 5,6 bilhões até 2027.

Mas será os brinquedos inteligentes, uma promessa boa demais para ser verdade? 

Os brinquedos inteligentes são um campo minado em potencial em termos de segurança e privacidade. Desde o advento do brinquedo inteligente em 2015 – “Hello Barbie” sendo um dos primeiros brinquedos habilitados para IA – o medo da privacidade aumentou em toda a indústria. 

Brinquedos conectados conectam dados e eventos usando Bluetooth, Wi-Fi, nuvem e aplicativos móveis. Eles geralmente contêm microfones e câmeras, coletando dados visuais e de áudio. Versões posteriores de brinquedos inteligentes podem até conter tecnologia de reconhecimento facial aumentada com inteligência artificial . Os dados que alimentam os brinquedos são coletados, armazenados e compartilhados por meio dessas conexões: e as preocupações com a segurança abundam, com relatórios descobrindo que até 98% do tráfego de IoT não está criptografado.

Os riscos são reais!

Em janeiro de 2018, o primeiro caso de privacidade de brinquedo inteligente foi levado a tribunal sob a regra de proteção à privacidade on-line das crianças (COPPA) da Federal Trade Commission (FTC). A COPPA lida com a proteção de informações pessoais de crianças menores de 13 anos. A VTech Electronics, Ltd, que fornece vários brinquedos inteligentes, foi responsabilizada em vários pontos. Isso inclui não fornecer uma política de privacidade clara em seu site e ser negligente em proteger os dados pessoais coletados de crianças.

A integração da IA ​​com as falhas de segurança compõe os problemas de proteção das crianças. Ter processamento de linguagem natural e aprendizado de máquina para tornar os brinquedos ainda mais realistas é uma meta dos fabricantes. Esse ultra-realismo pode potencialmente aprimorar e aumentar qualquer falha de segurança. Imagine uma entidade mal-intencionada hackeando um brinquedo que estava mal protegido e falando com uma criança, com a criança sendo incapaz de discernir entre a conversa realista do brinquedo e a do hacker?

A segurança é importante para todos e é um direito civil, independentemente da sua idade. O design e o desenvolvimento de brinquedos inteligentes conectados à Internet devem ser uma prioridade para garantir a segurança cibernética de nossos filhos. Apressar os brinquedos para tirar proveito de feriados como o Natal não deve significar que a segurança seja uma questão secundária. Temos o dever cívico de garantir a segurança e preservar a privacidade das crianças.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *