fbpx

Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar
A próxima onda de transformação digital requer melhor segurança, automação

Transformação Digital

A próxima onda de transformação digital requer melhor segurança, automação

Jader Rodrigues
Escrito por Jader Rodrigues em 22 de novembro de 2021
Junte-se a mais de 10.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O relatório F5 destaca os desafios das iniciativas digitais, incluindo a luta para proteger ambientes com várias nuvens e a falta de habilidades de TI necessárias para estender os esforços de automação.

A transformação digital é uma das principais prioridades dos CIOs que desejam maneiras inovadoras de implantar aplicativos e executar operações de TI. Na economia digital de hoje, são raras as empresas que não dependem de aplicativos para dar suporte a seus negócios. Pelo contrário, a maioria das empresas tem algum tipo de iniciativa de transformação digital em vigor, que está impulsionando a adoção de arquiteturas nativas da nuvem e serviços de aplicativos.

Um novo relatório do fornecedor de entrega de aplicativos F5 Networks revela que as empresas estão entrando na segunda fase da transformação digital, automatizando mais partes de suas redes. Com base em uma pesquisa com cerca de 2.600 líderes seniores em todo o mundo – de vários setores, tamanhos de empresas e funções – o Relatório do Estado dos Serviços de Aplicativos de 2020  revelou cinco tendências principais que moldam o cenário de aplicativos.

1. Cada empresa está passando por uma transformação digital

Tendo conduzido sua pesquisa anual por seis anos consecutivos, a F5 consistentemente considerou a otimização de TI e a otimização de processos de negócios os principais benefícios relatados para empresas com iniciativas de transformação digital. Nesse ponto, a maioria das empresas já dominou a automação de tarefas individuais digitalizando TI e processos de negócios – que o relatório classifica como fase um da transformação digital.

Passando para a fase dois, as empresas estão mudando seu foco para reduzir a complexidade e oferecer suporte a aplicativos com um conjunto consistente de serviços. Os aplicativos externos constituem uma parte (45%) do portfólio de uma empresa média e ajudam a gerar receita. Ainda assim, os voltados para o lado interno – como aplicativos de produtividade e operacionais – são vitais para a digitalização de processos de negócios.

Aplicativos modernos, microsserviços / nativos da nuvem agora representam aproximadamente 15% do portfólio de uma empresa, em comparação com 11% para aplicativos hospedados em mainframe. Essa mistura de aplicativos de geração nova e mais antiga indica que as empresas estão lidando com um portfólio de aplicativos diversificado. À medida que mais empresas adotam uma mentalidade centrada em aplicativos, elas podem começar a gerenciar seu portfólio de aplicativos como um ativo de negócios.

2. As organizações lutam para proteger ambientes com várias nuvens

Cada empresa tem necessidades diferentes, e é por isso que a maioria escolhe a melhor nuvem para seus aplicativos caso a caso, constata o relatório. As empresas estão adotando plataformas em nuvem em um ritmo alto, com 27% planejando ter mais da metade de seus aplicativos na nuvem até o final de 2020.

Para 87% das empresas, a nuvem múltipla é a escolha preferida devido à sua flexibilidade. Multi-nuvem normalmente inclui uma mistura de ambientes de infraestrutura como serviço (IaaS), de modo que uma empresa pode escolher implantar nuvem múltipla de software como serviço (SaaS) ou plataforma como serviço (PaaS) Serviços.

No entanto, os ambientes com várias nuvens representam desafios para as empresas quando se trata de manter a segurança, a política e a conformidade, de acordo com os entrevistados do relatório. As empresas estão lidando com aplicativos que atingem centenas a milhões de usuários finais – cada um com seu próprio risco de segurança. Enquanto isso, muitos não têm experiência para proteger os aplicativos.

Espantosos 71% das empresas pesquisadas pela F5 relataram uma lacuna de habilidades em segurança. Apenas 45% das empresas estão confiantes de que podem proteger os aplicativos na nuvem pública, enquanto 62% pensam que podem proteger os aplicativos em um data center local. As empresas mais confiantes têm consistência em várias arquiteturas e infraestruturas, garantindo a segurança e o desempenho de todos os aplicativos em seu portfólio.

3. Chave de automação para aumentar a eficiência

Processos manuais podem ter sido a norma para redes legadas, mas as redes modernas requerem automação. É por isso que a maioria das empresas (73%) o adotou.

No relatório deste ano, a F5 observou um uso mais consistente de automação no pipeline de implantação do que nos anos anteriores. A automação da infraestrutura de aplicativos, rede, serviços de aplicativos e segurança é quase igual em toda a linha em aproximadamente 40% para os entrevistados da pesquisa.

Curiosamente, mais empresas estão escolhendo ferramentas de código aberto e integração contínua / entrega contínua (CI / CD) para automação em vez de soluções proprietárias de fornecedores. O relatório constatou que há uma necessidade de ecossistemas abertos com o uso crescente de ferramentas de CI / CD, à medida que as empresas buscam maneiras de resolver os problemas que retardam a automação. As empresas disseram que suas maiores dificuldades são as lacunas de habilidades em TI corporativa, a integração de conjuntos de ferramentas entre fornecedores e dispositivos e o custo de novas ferramentas.

4. Os serviços de aplicativos de segurança são mais amplamente implantados

As redes modernas exigem serviços de aplicativo – um conjunto de serviços necessários para implantar, executar e proteger aplicativos em ambientes locais ou com várias nuvens. Hoje, 69% das empresas estão usando 10 ou mais serviços de aplicativo, como controle de entrada e descoberta de serviço. O controle de entrada é um serviço de aplicativo relativamente novo que se tornou essencial para empresas com altos volumes de chamadas de API. É um dos muitos exemplos da crescente adoção de aplicativos baseados em microsserviços.

Os serviços de segurança continuam sendo os mais amplamente implantados, com estes em particular dominando os cinco principais: SSL VPN e serviços de firewall (81%); IPS / IDS, antivírus e mitigação de spam (77%); balanceamento de carga e DNS (68%); firewalls de aplicativos da web (WAF) e proteção DDoS (cada um com 67%).

Nos próximos 12 meses, a evolução das arquiteturas de aplicativos em nuvem e modernas continuará a moldar os serviços de aplicativos. No topo da lista (41%) está a rede de longa distância definida por software ( SD-WAN ). O SD-WAN permite o provisionamento baseado em software da nuvem para atender às demandas de aplicativos modernos. As primeiras implantações de SD-WAN se concentraram em substituir o dispendioso multi-protocolo label switching (MPLS), mas agora há maior ênfase na segurança como um requisito básico para SD-WAN.

5. DevOps assume a responsabilidade pelos serviços de aplicativos

Embora as operações de TI ainda sejam as principais responsáveis ​​pela implantação de serviços de aplicativos, o relatório revelou uma mudança ocorrendo de estruturas de equipe de função única para orientadas a operações – como SecOps e DevOps.

A responsabilidade por proteger, otimizar e gerenciar aplicativos por equipes de DevOps está crescendo, alimentada por aplicativos em nuvem e nativos de contêiner. Em comparação com apenas alguns anos atrás, as empresas desenvolveram uma preferência por contêineres em vez de dispositivos virtuais para serviços de aplicativos. A preferência por contêineres cresceu de apenas 6% em 2017 para 18% em 2020, superando as máquinas virtuais (15%) e hardware (15%).

Independentemente da preferência, os desafios das arquiteturas de aplicativos modernos exigem colaboração entre as equipes. As operações de TI e DevOps não precisam ser mutuamente exclusivas e podem trabalhar juntas para enfrentar esses desafios.

Qual é o próximo?

Os líderes seniores pesquisados ​​no relatório veem a análise de big data em ação nos próximos dois a cinco anos.

As empresas hoje usam apenas uma pequena parte de seus dados e não estão tirando proveito disso. Na terceira fase da transformação digital, as empresas podem começar a aproveitar os dados capturados por aplicativos por meio de análises baseadas em inteligência artificial (IA). Os dados aproveitados podem fornecer percepções valiosas para melhorar os processos de negócios.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *