O que é Criptografia?

Publicado em:

Entenda a finalidade e seus diferentes elementos de segurança

O envio e o recebimento de informações sigilosas é uma necessidade antiga, que existe há muito tempo. E foi através dessa carência que a criptografia tornou-se uma ferramenta essencial para que apenas o emissor e o receptor tenham acesso livre às informações – evitando possíveis vazamentos e defraudações.

Ao pé da letra, a Criptografia é um conjunto de regras que visa codificar a informação de forma que só quem envia e recebe consegue decifrar. A tecnologia evoluiu e com isso diferentes avanços foram descobertos. Sendo primordial conhecer cada um deles e suas principais diferenças para entender como tecnologias como os certificados digitais, por exemplo, conseguem proteger seus dados.

Por meio do uso da criptografia você pode:

  • proteger os dados sigilosos armazenados em seu computador, como o seu arquivo de senhas e a sua declaração de Imposto de Renda;
  • criar uma área (partição) específica no seu computador, na qual todas as informações que forem lá gravadas serão automaticamente criptografadas;
  • proteger seus backups contra acesso indevido, principalmente aqueles enviados para áreas de armazenamento externo de mídias;
  • proteger as comunicações realizadas pela Internet, como os e-mails enviados/recebidos e as transações bancárias e comerciais realizadas.

Conheça CINCO das criptografias mais usadas e como cada uma delas funciona:

1. DES: o Data Encryption Standard (DES) é uma das primeiras criptografias e é considerada uma proteção básica de poucos bits (cerca de 56). Seu algoritmo é o mais difundido mundialmente e realiza 16 ciclos de codificação para proteger uma informação.

A complexidade e o tamanho das chaves de criptografia são medidos em bits. Quando uma criptografia é feita com 128 bits, significa que 2128 é o número de chaves possíveis para decifrá-la. Atualmente, essa quantidade de bits é considerada segura, mas quanto maior o número, mais elevada será a segurança.

2. 3DES: o Triple DES foi originalmente desenvolvido para substituir o DES, já que os hackers aprenderam a superá-lo com relativa facilidade. Essa criptografia recebe esse nome pelo fato de trabalhar com três chaves de 56 bits cada, o que gera uma chave com o total de 168 bit. Especialistas no tema argumentam que uma chave de 112 bits é suficiente para proteger os dados.

3. DESX: outra variante do DES, o DESX é uma solução bastante simples do algoritmo, mas que aumenta exponencialmente a resistência contra ataques de força bruta sem elevar a sua complexidade computacional.

Basicamente, adicionam-se 64 bits antes da encriptação, o que aumenta a proteção de 120 bits contra força bruta. Atualmente, essa tecnologia não é mais imune contra ataques mais sofisticados, como criptoanálises (o programa evolui a cada tentativa de decifração).

4. AES: o Advanced Encryption Standard (AES) ou “Padrão de Criptografia Avançada”, em português. É o algoritmo padrão do governo dos Estados Unidos e de várias outras organizações. Ele é confiável e excepcionalmente eficiente na sua forma em 128 bits, mas também é possível usar chaves e 192 e 256 bits para informações que precisam de proteção maior.

5. Camellia: desenvolvido em 2000, Camellia é uma criptografia que decifra blocos de informações. Trata-se de uma tecnologia com níveis de segurança bastante semelhantes ao AES, já que pode ser processada em 128, 192 e 256 bits.

Camellia pode ser implementada tanto em softwares, quanto hardwares. Também é compatível com tecnologias mais econômicas de 8 bits (smartcards, sistemas de operação em tempo real etc.) até com processadores mais potentes de 32 bits (computadores de mesa).

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui