fbpx
5G: a mudança na segurança cibernética

Tecnologia da Informação

5G: a mudança na segurança cibernética

Jader Rodrigues
Escrito por Jader Rodrigues em 7 de janeiro de 2021
Junte-se a mais de 10.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Entenda sobre a tecnologia e como se preparar para sua chegada

A tecnologia 5G, também conhecida como a quinta geração de redes sem fio, promete oferecer novas oportunidades no mercado, principalmente nos setores da saúde, cadeia de suprimentos, agricultura e etc. Além de fazer parte da evolução de tecnologias emergentes como Internet das Coisas (IoT) e Inteligência Artificial (AI).

Dessa maneira, hackers e cibercriminosos devem ficar de olho nas vulnerabilidades de tecnologias em desenvolvimento como Iot e Inteligência Artificial (AI), a fim de encontrar uma chance para possíveis ataques. É por isso que as melhores práticas de segurança cibernética se tornaram uma necessidade para garantir o futuro 5G. É o momento exato para entender a nova rede e onde ela precisa melhorar.

5G: o que é e como funciona?

Comparando o 5G ou a quinta geração com as quatro gerações anteriores, é possível entender que todas foram responsáveis por melhorar os níveis de conectividade. No entanto, o papel do 5G é mais amplo, pois ele funciona junto com o 4G para aprimorar o uso do acesso à banda larga móvel e, eventualmente, substituí-lo por completo.

O 5G foi projetado para transformar nossas atividades diárias, oferecendo velocidade no download, baixa latência e a conectividade necessária para bilhões de dispositivos. Ele transmite toneladas de dados e usa menos energia do que 4G LTE em distâncias mais curtas.

A aplicação do 5G em diferentes setores pode aumentar consideravelmente os riscos de hacking e outros cibernéticos. Aqui está a lista que inclui algumas das preocupações significativas relacionadas a tecnologia:

Segurança Descentralizada

Antes da chegada do 5G, era mais fácil realizar verificações de segurança porque as redes mais antigas possuíam pontos de contato de tráfego limitados. A partir de agora, os sistemas de software baseados em 5G têm mais pontos de roteamento de tráfego, dificultando o processo de monitoramento. Há uma grande probabilidade de que qualquer área desprotegida possa prejudicar outras partes da segurança da rede.

Criptografia Insuficiente e Falta de Segurança em Dispositivos IoT

Poucos fornecedores levam as questões de segurança cibernética a sério ao desenvolver dispositivos IoT. À medida que mais e mais dispositivos podem se conectar por meio de redes 5G, as chances de roubo de rede aumentam em grande escala. Smart TVs, geladeiras e fechaduras de portas são alguns dos principais dispositivos IoT que podem causar violações de rede.

A falta de criptografia é outro problema relacionado aos dispositivos IoT que podem expor informações dos dispositivos a hackers. Como por exemplo, a quantidade de dispositivos que estão conectados à rede, incluindo qual sistema operacional e o tipo de dispositivo (seja  telefones celulares, laptops, modem, veículos, etc.) permitindo aos hackers um ataque com mais precisão.

As bases de segurança 5G devem ser aprimoradas

Os desenvolvedores devem criar estratégias sólidas de proteção de software que os ajudem a lidar com os riscos incomuns do 5G . Além disso, interagir com organizações de segurança cibernética para combater os riscos de privacidade, como hacking, roubo de dados, invasão de privacidade e muito mais.

Os fabricantes devem melhorar seus esforços de segurança

Os fabricantes de produtos de baixo custo, como monitores infantis inteligentes para bebês e smartwatches, devem receber incentivos que se concentrem em melhorar suas práticas de proteção ao consumidor em termos de segurança cibernética. Porém, o custo de criação e aplicação de tecnologia segura deve ser reduzido, uma vez que sendo alto, não incentiva os fabricantes a considerarem a segurança cibernética. Da mesma forma, devem receber benefícios que os ajudem a superar suas perdas financeiras de forma significativa.

Como os usuários devem se preparar para o 5G?

Ao falar dos usuários finais, eles são os principais beneficiários que irão sofrer ou obter benefícios com a colaboração 5G em dispositivos IoT. Assim, devem seguir as seguintes recomendações para proteger sua privacidade ao usar dispositivos IoT em redes 5G:

Uso de uma VPN: milhões de pessoas optaram por opções de trabalho remoto devido à pandemia COVID-19. Por exemplo, 10% dos trabalhadores realizam suas tarefas profissionais em casa, e essa tendência continuará a crescer.

Os funcionários terão que contar com uma VPN confiável se quiserem proteger seus dados oficiais de hackers. Se não tomarem medidas preventivas, podem comprometer sua privacidade ao usar seus dispositivos IoT, se tornando alvos fáceis para hackers.

Instalar antivírus: é necessário que seja instalado um software antivírus como Avast, McAfee e Kaspersky para proteger seus dispositivos de serem infectados.

O 5G, sem sombra de dúvidas, terá seu papel crítico na transformação dos impactos de várias indústrias no futuro. No entanto, todas as partes interessadas terão que considerar atentamente as diferentes questões de segurança cibernética relacionadas a tecnologia. Caso contrário, os usuários finais terão prejuízo.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *