Como reduzir as ameaças cibernéticas de trabalho remoto?

Publicado em:

A queda da pandemia não impedirá a tendência de trabalhar em casa nem as consequências para a segurança cibernética, por isso é fundamental minimizar as ameaças.

Com a chegada das vacinas COVID-19, nós (esperançosamente) estamos nos aproximando do fim da crise pandêmica. No entanto, seus efeitos excederão o período de um ano. O aumento do número de empregados que optam por trabalhar em casa em pelo menos parte do tempo está entre as possíveis mudanças permanentes trazidas pelo COVID-19.

Esse modelo de trabalho híbrido apresenta vantagens e desvantagens – e entre as desvantagens está um aumento no número de ameaças e vulnerabilidades na Internet. Portanto, os CISOs devem ver os dispositivos domésticos como parte integrante da TI e garantir que os dispositivos, bem como as pessoas que os usam, estejam sujeitos ao mesmo nível de segurança que quando operam no escritório.

  • Ofereça treinamento periódico de conscientização: para evitar violações, os empregadores devem organizar o treinamento dos funcionários com foco nos cenários de ameaças mais recentes. Gerenciamento, operações e P&D são objetivos-chave de engenharia social, fraude e campanhas de fraude (entre outras ameaças). Os funcionários devem estar cientes das ameaças que enfrentam, a fim de tomar as medidas necessárias para se proteger, seus equipamentos e informações confidenciais da empresa.
  • Compartilhe as lições aprendidas: as empresas precisam aplicar lições periódicas às experiências de funcionários e executivos no combate à fraude e outras táticas de engenharia social. Ouvir experiências de colegas e “lições aprendidas” ajuda todos os funcionários a se identificarem e se protegerem melhor de ameaças. Como resultado dessas lições, a administração deve adotar políticas e procedimentos claros para manter a segurança no trabalho em casa.
  • Uso de VPN: as empresas devem oferecer suporte ao uso de conexões VPN por funcionários ao trabalhar remotamente. As VPNs criptografam e protegem os dados, garantindo que a conexão permaneça privada e segura.
  • Implementar autenticação multifator (MFA): a autenticação de um fator está associada à grande maioria das contas de usuário comprometidas. Na verdade, a implementação do MFA pode evitar até 99,9% desses ataques. Embora os resultados possam variar para diferentes empresas, não há dúvida de que o MFA – que requer dois ou até três níveis de certificação para ativos mais confidenciais – reduziria significativamente a vulnerabilidade de uma organização.
  • Priorize a segurança: em muitas empresas, a segurança cibernética é responsabilidade de um departamento de TI e compete pela atenção com outros problemas de TI. As empresas precisam configurar um centro de operações de segurança (SOC) especificamente dedicado à defesa cibernética e podem monitorar eventos, atualizar controles de segurança e se defender contra ataques de forma mais eficaz. O SOC também pode monitorar ameaças, varrer a rede de violação de dados e proteger melhor as informações da empresa e dos funcionários.
  • Crie políticas inteligentes: as organizações precisam fazer um inventário abrangente de seus ativos, vulnerabilidades e métodos de proteção. A TI se espalhou por servidores, nuvem e em todos os lugares. As organizações precisam inventariar esses links para encontrar vulnerabilidades e se proteger de ameaças potenciais implementando medidas de segurança que garantam que apenas determinados ativos organizacionais possam ser acessados ​​fora do escritório.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui